Seu negócio

Comprar ou alugar equipamentos de topografia? Entenda o que é melhor para você!

Escrito por CPE Tecnologia

A decisão por comprar ou alugar equipamentos depende de diversos fatores e variáveis que influenciam o seu negócio, ou seja, não é uma simples questão matemática. Envolve seus objetivos estratégicos, o risco de investimento, sua necessidade de se posicionar no mercado, de vender os seus serviços e a maturidade da empresa.

Por isso, vamos evitar emitir uma opinião definitiva sobre a melhor opção. No lugar disso, vamos relacionar para você os fatores que deve considerar para, de acordo com o seu caso, decidir pela alternativa mais viável.

Em outras palavras, vamos refletir juntos sobre o tema com vistas a encontrar a alternativa que garanta equilíbrio entre segurança, liquidez e lucro. Desse modo, ao terminar a leitura, você vai poder tomar uma decisão racional e ponderada, perfeitamente válida para o seu caso específico.

O processo de decisão

Para começar, é oportuno abordarmos como ocorre o processo de decisão e as armadilhas que ele pode apresentar. Segundo as teorias mais aceitas na administração, podemos concluir que existem limites para a racionalidade na tomada de decisão.

Isso ocorre principalmente porque é impossível considerar todas as variáveis que influenciam um negócio, e muitas delas são imprevisíveis e não estão sob o nosso controle. É justamente em razão disso que propomos considerar o máximo de variáveis possíveis, pois é uma forma de minimizar o risco da decisão.

Da mesma forma que você toma decisões de escala, buscando o melhor equilíbrio entre precisão e o custo da medição em um serviço topográfico, deve considerar o nível de detalhamento de uma decisão estratégica de acordo com a viabilidade de análise.

Custo do equipamento X valor imobilizado

Pensando nisso, a primeira distinção que você precisa fazer é a relação entre custo do equipamento e o valor imobilizado em sua compra. O imobilizado é referente ao total que você paga pelo equipamento.

Isso significa que, se você decidisse pela locação, esse montante poderia ser usado como capital de giro, garantindo solidez financeira para o negócio em um momento de instabilidade econômica, por exemplo.

Porém, ele não representa o custo de sua propriedade, pois ela passa a fazer parte de seu patrimônio no momento que é adquirida. Em outras palavras, esse valor não foi gasto, apenas foi trocado. Você tinha o dinheiro e após a compra tem o equipamento.

Portanto, o custo do equipamento se refere à soma dos custos de manutenção, a desvalorização ao longo do tempo (depreciação), e todos os gastos adicionais que você venha a ter.

É esse o custo que você deve considerar na definição do preço de seu serviço e na comparação com a locação, incluindo o máximo de detalhamento possível. Por isso, a primeira decisão que você precisa tomar é se vale a pena imobilizar esse valor ou se é estrategicamente mais viável locar o equipamento.

Maturidade e risco

Comece avaliando a maturidade do seu negócio e a solidez de sua situação financeira. Se o seu empreendimento está consolidado no mercado e você tem um faturamento regular, com poucas chances de ocorrerem baixas inesperadas, você pode fazer um cálculo comparativo bem objetivo.

Nesse caso, bastaria verificar se os custos de locação e manutenção da propriedade do equipamento e analisar se eles são parecidos. Se o custo de adquirir o equipamento for equivalente ao de locação, é mais vantajoso comprá-lo, uma vez que ele será adicionado ao seu patrimônio.

Contudo, se não for possível prever um faturamento constante e tiver muita incerteza com relação a poder sustentar os custos fixos do negócio (aqueles que, vendendo ou não, precisará pagar todos os meses), então a compra do equipamento pode representar um risco significativo de comprometer a saúde financeira da empresa, tornando-a inviável com o passar do tempo.

Essa mesma lógica é válida no caso de trabalhos temporários ou grandes contratos que exijam a utilização do equipamento em um prazo determinado, não sendo necessários depois do final do contrato.

O cálculo comparativo

Feita essa análise, é o momento de colocar todas as despesas no papel. Considerando que está no ramo da topografia, o cálculo não será um problema. O importante é que você considere todas as despesas envolvidas de acordo com a lógica apresentada nos tópicos anteriores. Isso inclui:

  • estimativas de manutenção e reparos;
  • os impostos pagos em um caso e outro;
  • fretes;
  • seguro;
  • juros;  
  • depreciação, entre outros eventuais custos que podem se aplicar no seu caso.

O orçamento e o retorno sobre o investimento

Além do cálculo comparativo, faça um orçamento geral do negócio. Afinal, a comparação só é válida se aplicada no planejamento financeiro. Calcule sua estimativa de receitas mensais e deduza os gastos correntes, verificando sua disponibilidade para fazer o investimento.

Nesse caso, não deixe de considerar uma margem para imprevistos e os períodos de baixa de receita. No caso da compra, também é interessante você fazer um cálculo de retorno de investimento e de recuperação do valor investido.

O retorno do investimento é calculado obtendo a diferença entre os custos totais de compra e o lucro proporcionado pelo seu uso. Já o de recuperação se refere ao tempo necessário para pagar o investimento inicial com o lucro proporcionado.  

Mas atenção para um detalhe importante. Não se deve confundir o lucro do negócio com o rendimento do empreendedor, que é remunerado de duas formas: retirada sobre lucro e pró-labore (retirada fixa mensal). Esse total representa um custo para o negócio.

O lucro do negócio é a receita menos a soma de suas despesas, o que inclui a remuneração de todos que trabalham no negócio, inclusive o investidor. Esse é um critério importante! Muitas vezes, o empresário considera que a empresa está dando lucro em razão de sua retirada, mas isso nem sempre é verdade. Essa é uma importante regra da contabilidade.

Para concluir nosso texto sobre a viabilidade de comprar ou alugar equipamentos, vale mencionar que essa precisa ser uma decisão fria. Quanto menos os aspectos emocionais que envolvem o sonho de todo o empreendedor exercerem influência na sua decisão, mais certeira ela será. Além disso, pense sempre no longo prazo quando se tratar de estratégias e investimentos.  

Agora que terminamos, garanta o recebimento de outros textos e dicas sobre o seu negócio. Assine nossa newsletter!

Sobre o autor

CPE Tecnologia

Deixar comentário.

Share This